Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011

 

Hoje, fomos visitar a casa-museu Bissaya Barreto, situada junto aos Arcos do Jardim, paredes meias com a Penitenciária de Coimbra. A rua chama-se Rua da Infantaria pois, nas traseiras, situa-se o Quartel-General. Na fotografia debaixo podemos ver uma curiosa fotografia dos Arcos do Jardim, tirada dos jardins da casa-museu.

 

O professor Bissaya Barreto nasceu em Castanheira de Pêra em 1886, segundo filho de um farmacêutico. Tinha uma irmã mais velha e outras duas mais novas. O seu padrinho de baptismo era cirurgião do Exército, e talvez aí tenha recolhido a influência para a carreira que seguiu.

 

Fotografia do professor Bissaya Barreto no centro de Documentação anexo à Casa-Museu

 

Em 1903, entrou na Universidade de Coimbra, concluindo a licenciatura em Filosofia, com brilhantes classificações, em 1909. Lembrem-se que, naqueles tempos, esta era a designação dada aos estudos na área das ciências naturais. Em 1911, fez parte da Assembleia Constituinte que aboliu a Monarquia e instalou a República. No mesmo ano, conclui o bacharelato em Medicina, mais uma vez com notas brilhantes, ingressando depois na carreira de professor dessa Faculdade. Note-se que Bissaya tirou ainda o curso de professor do liceu na Faculdade de Letras que tinha sido recentemente fundada. Seria, no entanto, como médico cirurgião que se distinguiu, numa longa carreira que duraria até 1956, data da sua jubilação. Nos finais da década de 50, cria a fundação com o seu nome com o objectivo de desenvolver uma actividade assistencial, principalmente de protecção às crianças, às grávidas, mães e doentes, em toda a Beira Litoral. Militou na Maçonaria e foi um dos amigos mais próximos de Oliveira Salazar. Por isso, após a revolução de 25 de Abril de 1974, foi destituído de todos os cargos que exercia, vindo a morrer pouco após. A Fundação herdou todos os seus bens e continuou a sua obra assistencial.

Oliveira Salazar e Bissaya Barreto

 

A obra de Bissaya Barreto é imensa e não tem paralelo. Podemos dizer que muitos lhe devem a vida graças às suas múltiplas iniciativas. Criou o Hospital de Celas, onde chegou a funcionar um sanatório para mulheres e  outro para crianças que viria a dar origem ao Hospital Pediátrico onde, certamente, já foste tratado. Nos Covões foi criado um sanatório masculino que estaria na base da fundação do Hospital Geral de Coimbra, mais conhecido como Hospital dos Covões. Fundou ainda os Hospitais Psiquiátricos de Sobral Cid e do Lorvão, bem como a Leprosaria da Tocha para acolher as vítimas desta terrível doença, bem como o Hospital Ortopédico e de Reabilitação da Figueira da Foz. A ele se deve a criação da Maternidade que tem o seu nome, em Coimbra. Será que nasceste lá? Fundou a Escola de Enfermagem e 25 Casas da Criança, creches e infantários espalhados por toda a Beira Litoral. Criou casas de férias para crianças necessitadas, escolas profissionais, institutos especializados no tratamento da surdez, invisualidade e deficiência mental que ainda hoje existem, bem como o Aeródromo de Coimbra, em Cernache, que tem o seu nome. Fundou igualmente um bairro de habitação para pobres, no Loreto. No entanto, tenho a certeza que a sua obra que tu mais aprecias é o Portugal dos Pequenitos! Em 1997, por iniciativa da Fundação, foi levantada uma estátua do professor Bissaya Barreto na rotunda em frente ao Portugal dos Pequenitos, que passou a ter o seu nome, da autoria do escultor Vasco Berardo.

 

 

continua....

 



publicado por AS às 21:20
Blogue oficial do Clube do Património da Escola Básica Eugénio de Castro - Coimbra
mais sobre mim
Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
18
20
22

23
25
27
28

30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO