Sábado, 08 de Dezembro de 2012

 

 

Um dia, não há muitas semanas atrás, passeávamos nós pelas ruas da Baixa, quando nos cruzámos com o Professor Adelino Marques, Ministro da Venerável Ordem Terceira de São Francisco, que amavelmente nos convidou a visitar as obras de restauro dos painéis de azulejos do claustro da Igreja do Carmo, na rua da Sofia. Claro que não recusámos o convite e, ontem, realizámos a nossa visita. Fomos recebidos pela Dr.ª Ana Rodrigues, técnica da Signinum, empresa responsável pela condução dos trabalhos de recuperação e conservação.

 

 

 

Em 1541, fundaram-se na rua da Sofia os dois primeiros colégios destinados ao ensino universitário: o Colégio do Espírito Santo, por iniciativa do Cardeal D. Henrique, e o Colégio da Conceição que, poucos anos depois, passaria para a Ordem do Carmo. Este Colégio, fundado por D. Baltazar Limpo, bispo do Porto, foi entregue à Ordem dos Carmelitas Descalços. Numa fase inicial, as obras foram da responsabilidade de Diogo de Castilho. No entanto, o claustro só ficou concluído nos finais do século, quando o célebre Frei Amador Arrais, recolhido neste convento, dirigiu os mestres responsáveis pela conclusão das obras, seguindo o provável traçado de Castilho.

 

  

 

Nos meados do séc. XIX, na sequência da extinção das ordens religiosas e da nacionalização dos seus bens, o colégio foi cedido à Ordem Terceira, que procedeu à adaptação do edifício para instalar um hospital. Atualmente, funciona aqui um lar de idosos.

O claustro tem dois andares, tendo o piso térreo arcadas com colunas jónicas e o andar superior colunas mais pequenas de ordem toscana. As galerias das arcadas inferiores têm as paredes revestidas por painéis alusivos à vida de Elias, o profeta bíblico inspirador do modelo de vida dos que professavam nesta ordem.


 


Ao longo dos anos, pelo passar do tempo e pelo desprezo a que foi votado o edifício, os azulejos foram-se degradando, ao ponto de ficarem em risco. Chegou então um momento em que os responsáveis da Ordem Terceira assumiram a responsabilidade de mandar restaurar este valiosíssimo património artístico. A Dr.ª Ana explicou-nos, em linhas gerais, as diversas fases do trabalho dos técnicos de conservação. Começando por fotografar os painéis, identificam-se as fraturas e defeitos na fixação. Os trabalhos de intervenção são devidamente documentados com o objetivo de se elaborar um dossiê para que, futuramente, se consultem e conheçam todos os trabalhos desenvolvidos.


  


Identificados os danos e estabelecido o plano de intervenção, é altura dos técnicos, altamente especializados e com uma minúcia e paciência inexcedíveis, passarem a uma nova etapa do trabalho. Estudam-se os motivos originais, as cores e o tipo de pincelada, produzindo-se depois réplicas que são cuidadosamente colocadas no painel. Nas fotografias acima publicadas, podemos observar a Andreia e o Filipe a aplicarem as cópias nos painéis, procedendo depois ao enchimento das juntas e aos retoques finais.


 


Concluídos os trabalhos, os pombos passam a ser o principal inimigo dos painéis! Na verdade, os dejetos largados por esta passarada obrigam os técnicos a cobrirem os azulejos com plásticos. Na atualidade, em alguns monumentos urbanos já se instalam dispositivos elétricos com o objetivo de manter afastados os pombos e preservar as obras de arte. No entanto, tudo isto custa dinheiro e o momento atual não consente este tipo de despesas.


 


Finalmente, e após todas estas explicações, subimos ao piso superior onde, sob a orientação da Ana e da Andreia, experimentámos pintar uns azulejos, cujos motivos foram selecionados a partir dos painéis existentes nos corredores do edifício. Foi muito divertido, pois apercebemo-nos do talento, da técnica, do treino e da concentração necessários para a execução destes trabalhos. Aguardamos agora ansiosamente as nossas obras. Para já, agradecemos reconhecidos à Dr.ª Ana Rodrigues e à sua equipa, bem como ao professor Adelino Marques, a oportunidade que nos deram de conhecer o claustro e o colégio e de passar uma tarde muito agradável. 



publicado por CP às 11:59
O que eu ando a perder!...
Professora Conceição
Anónimo a 9 de Dezembro de 2012 às 22:18

Blogue oficial do Clube do Património da Escola Básica Eugénio de Castro - Coimbra
mais sobre mim
Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO